top

 

 

 

Martins Lucena Arquitetura

 

Kleimer Martins
Márcio Lucena

 

 

Fundado em 2009, o escritório reúne um acervo técnico variado, com projetos de escalas e naturezas diversas para clientes privados e públicos nas áreas: residenciais, comerciais, lazer, serviços e institucionais, bem como de interiores e design. Projetos em que se busca de modo sensível associar heranças modernistas as questões contemporâneas, valorizando a eficiência funcional e estrutural traduzida em expressões formais que afirmam o caráter peculiar de cada edificação.

 

55 83 2108-8537 | @ | WEB

 

 


 

Arquitetura
Residencial

 

 

 

Casa IF | Natal/RN

 

 

 

INTRODUÇÃO - O projeto desta habitação unifamiliar com 420 m², localizada em um condomínio residencial na cidade de Natal-RN, cumpriu de maneira arrojada e elegante o propósito de acolher um jovem casal com dois filhos.

A concepção do projeto partiu do intuito da criação de ambientes amplos que confortavelmente promovessem o diálogo entre o exterior e o interior da residência, utilizando uma linguagem arquitetônica inspirada no estilo internacional. O partido adotado foi norteado pela integração e fluidez espacial e visual entre as áreas internas e externas, tendo em vista a conformidade às condições bioclimáticas.

ORIENTAÇÃO E IMPLANTAÇÃO - A implantação em um lote de esquina, paralela ao muro de limitação do terreno, visou otimizar a captação da ventilação que nesta região provém predominantemente do sudeste. Desta forma, as janelas dos quartos estão voltadas para o leste e para o sul. Do mesmo modo, ao recuar a edificação do limite sul do terreno, implantando neste local a área de lazer, o projeto favoreceu a captação e circulação dos ventos.

A distribuição do programa de necessidades em três pavimentos segue a lógica da contiguidade dos espaços. Sendo assim, o pavimento térreo compreende a cozinha, a suíte de hóspedes e a área social, que foi disposta de modo a assegurar uma conexão fluida entre os ambientes desde o hall de entrada até o espaço gourmet, percorrendo a sala de estar e jantar cumprindo confortavelmente a tarefa de receber amigos e familiares. Ainda no térreo, a área de lazer foi locada na parte posterior do terreno com o objetivo de resguardar a privacidade da família.

A elevação do pavimento térreo em relação ao nível da calçada evidencia a edificação que é envolvida por suaves taludes, resultantes de um tratamento paisagístico no qual seus elementos contribuem na amenização climática e se integram plasticamente ao projeto arquitetônico.

Visando o conforto do usuário, a garagem, situada no semi-subsolo, possibilita dois acessos à edificação: um através da área de serviços, também neste pavimento; e outro pela entrada principal, no pavimento térreo.

O pavimento superior acomoda a área íntima da residência, composta de três suítes interligadas por um espaço livre que abriga uma biblioteca, atendendo à exigência do proprietário.

CONFORTO TÉRMICO - As grandes aberturas captam a ventilação abundante típica da região, enquanto os grandes beirais que abrigam terraços protegem os espaços internos da insolação direta. O emprego de parede dupla na face norte e de anteparos de proteção solar sobre as aberturas da face oeste também são estratégias para abrandar a incidência de carga térmica no interior e visam proporcionar conforto térmico aos moradores.

A interação dos volumes de formas geométricas puras originam extensos balanços que proporciona sombreadas áreas abertas permeadas pela ventilação oferecida pelo sistema de amplas esquadrias em alumínio, vidro e madeira.

ESTRUTURA E MATERIAIS - O sistema estrutural adotado é constituído em grande parte por pilares, lajes e paredes em concreto armado aparente, que modelam e revestem os espaços. A principal motivação da opção pelo concreto armado conferiu maior liberdade plástica, possibilitando a leitura dos pavimentos como volumes distintos, além de ter garantido a fluidez dos espaços internos e os amplos vãos.

A área de lazer recebeu uma coberta em estrutura metálica com perfis de aço que se estendem ao longo da sala, percorrendo as esquadrias e promovendo o acabamento com leveza e elegância. A escada de acesso ao pavimento superior foi concebida também com o uso de perfis metálicos, a fim de garantir uma estrutura esbelta com apenas dois pontos de apoio.

O emprego de materiais como a madeira e o ladrilho hidráulico, que compõe o grande painel da fachada oeste, bem como a utilização de pedras típicas da região no revestimento do muro da área de lazer, favorece o diálogo entre a linguagem contemporânea e regional.

Ficha:
Projeto - Residência Unifamiliar
Equipe - Arq. Márcio Lucena, Arq. Kleimer Martins, Arq. Tadeu de Brito, Arq. Tamáris Brasileiro, Arq. Deborah Barbosa, Kellington Dantas, Eng. Aurélio Marcolino (estrutura), Felipe Cavalcante Ciclestudio (imagens)
Local - Flora Boulervard, Ponta Negra, Natal/RN, Brasil
Ano Projeto - 2014
Ano Obra - 2015 (em construção)
Área do Terreno - 526,35m²
Área Total de Construção - 420,38m²
Tipologia - Subsolo+Térreo+01 Pavimento

 


 

Arquitetura
Governamental

 

MPPB - Ministério Público da Paraíba | João Pessoa / PB

 

 

MPPB - Ministério Público da Paraíba | João Pessoa, Paraíba - Brasil , 2013

O anteprojeto em questão, referente à instalação do complexo do Ministério Público da Paraíba na cidade de João Pessoa, surge no contexto atual das construções coerentes com as necessidades de otimização de recursos e meios, incorporando os vários conceitos de flexibilidade, economia energética e reduzido dano ambiental, tanto em seu processo de execução como de utilização.

Sobre este tema entende-se que a correta arquitetura por si só já engloba conceitos de sustentabilidade e racionalidade, quando se compromete com a otimização de seu desempenho em relação às atividades que vai abrigar, considerando uma adequação material, funcional, estrutural e formal às necessidades do edifício. Paralelo a isto, o desenvolvimento da tecnologia permite agregar, cada vez mais, novos recursos de cunho sustentável ao projeto de arquitetura. Estas ações sendo extensivas ao tratamento das áreas externas e ao entorno no qual se insere, conferem ao projeto uma eficiência sustentável convertendo a Arquitetura em um dos principais agentes de transformação, que aliado a outras disciplinas de ação holística podem contribuir para a construção de um futuro melhor para a humanidade. Diante desta perspectiva, a concepção desta proposta
toma como ponto de partida os critérios de sustentabilidade aplicados à construção (princípios de eco-eficiência e conforto ambiental) aliados às questões fundamentais da arquitetura referentes à funcionalidade, estabilidade e estética (utilitas, firmitas e venustas, segundo Vitrúvio).

Para tanto, parte-se da escolha de uma orientação adequada para inserção do edifício no lote (eixo longitudinal no sentido Sul - Norte) para assegurar-lhe um melhor rendimento bioclimático. Como conseqüência, a implantação da edificação na diagonal do terreno repercute no partido adotado, o qual tira proveito da situação de "cabeça de quadra" com três frentes e dos espaços livres criados adjacentes às maiores fachadas da edificação. Esta decisão, por sua vez, mostra-se como fator fundamental na valorização do caráter institucional do projeto, além de permitir uma inserção urbana significativa e marcante no entorno imediato ao prédio.

Além dos desdobramentos relativos à implantação do edifício, outros princípios projetuais são levados em conta: O Ministério Público por sua própria definição de atenção às causas sociais apresenta um crescimento proporcional ao da cidade no volume das demandas abraçadas. Por esta razão faz-se necessário conceber a nova edificação de maneira a assegurar-lhe o critério de Expansibilidade e Flexibilidade, permitindo que seja ampliada evitando o surgimento de apêndices volumétricos. Como conseqüência imediata a esta questão, torna-se também necessário a Flexibilidade de seus ambientes, permitindo a reutilização dos mesmos sem a necessidade de reformas internas, reduzindo gastos e tempo de obra. Assim, o princípio da Contigüidade também se mostra indispensável, garantindo que não haja uma descontinuidade nos espaços destinados
aos ambientes de trabalho.

Em resposta a esses critérios, principalmente ao da Expansibilidade, faz-se uso da estrutura metálica, permitindo agilidade, limpeza e reduzido custo às obras de ampliação.

Soma-se a tudo isso a utilização de recursos de captação de águas pluviais nas superfícies pavimentadas e do espelho d’água conduzidos para reservatórios de tratamento inferiores, e posterior utilização na manutenção do nível do espelho d’água e da reserva de incêndio, além da irrigação dos jardins elevados e do térreo.

O tratamento e reaproveitamento de águas cinza são feito individualmente em cada lavabo através do sistema de tratamento conectado às caixas de descarga dos vasos sanitários, evitando assim custos com instalações de tratamento extras.

As águas negras são tratadas por uma pequena estação eletrolítica e reservatórios de decantação seqüenciais, sendo reaproveitadas para a irrigação subterrânea contínua dos jardins para o nível do meio subsolo.

A utilização racional da energia elétrica é viabilizada através do consumo misto que envolve a geração própria em sistemas de micro turbina a gás cogeração e turbina eólica. Estes são conectados à rede pública através de medidores, os quais possibilitam o fornecimento do excedente de energia gerada no período diurno, financiando o recebimento da concecionária no período noturno ou de interrupções do sistema de geração.

O somatório de todas estas ações sustentáveis, seja de arquitetura ou de tecnologia empregada, contribuirá para a coerência ambiental da edificação, buscando uma proposta sadia ao ambiente, a si mesma e a seus usuários.

Ficha:
MPPB - Ministério Público da Paraíba | João Pessoa, Paraíba - Brasil , 2013
Projeto Concurso Público Nacional de Arquitetura para o Complexo do Ministério Público da Paraíba em João Pessoa
Arquitetos: Antonio Cláudio Massa, Kleimer Martins, Márcio Lucena, Tadeu de Brito, Caio Leite, Christopher Guerra, Thiago Bezerra e Pedro Soares
Colaboradores Felipe Cavalcante, Tamáris Costa, Kellington Dantas e Rodrigo Medeiros
Engenheiros Consultores José Carlos Borges e Maura Michaela Araújo
Modelagem 3D Felipe Cavalcante
Imagens 3D Felipe Cavalcante e Pedro Soares
Banners Kellington Dantas e Rodrigo Medeiros
Local João Pessoa/PB | Ano - 2013

 


 

Arquitetura
Residencial

 

 

Residência Gerson | João Pessoa / PB

 

 

Com um programa de necessidades direcionado a uma família de classe média, o projeto da Residência Unifamiliar desenvolveu-se a partir da busca por uma linguagem arquitetônica livre de excessos e adequada as condições climáticas e circunstâncias culturais da região. Inspirada no Estilo Internacional, a volumetria segue linhas modernistas. A distribuição dos espaços internos foi realizada racionalmente de modo que estes pudessem ter maior integração possível com exterior da edificação. No intuito de proporcionar uma relação harmoniosa com a paisagem local, o projeto mescla materiais regionais no revestimento com o sistema construtivo convencional: alvenaria e concreto armado.
O desenvolvimento deste projeto foi realizado em três fases:
Fase 01: levantamento de dados referentes ao terreno
Verificação das normativas do condomínio e da prefeitura municipal quanto às possibilidades de ocupação e aproveitamento do terreno;
Conferência das cotas e da área do terreno em campo.
Fase 02: criação
Determinar o programa de necessidades;
Zoneamento dos ambientes da edificação segundo suas funções;
Definição do partido arquitetônico.
Fase 03: detalhamento técnico
Elaboração do projeto arquitetônico: plantas baixas, cortes, fachadas, perspectivas;
Elaboração do projeto executivo: projeto arquitetônico, projeto elétrico, projeto hidráulico, detalhamento de esquadrias, especificação de materiais.
Localizado no Bairro do Altiplano, o Condomínio Residencial Cabo Branco é um dos condomínios horizontais pioneiros em João Pessoa/PB. A partir da percepção do crescimento desta tipologia organizacional de moradias na cidade, optou-se por um terreno de 360m² no Cabo Branco Residence Privê para a implantação deste projeto executivo de arquitetura residencial unifamiliar.

O partido arquitetônico adotado, inspirado no Estilo Internacional, busca uma linguagem adequada ao clima e as peculiaridades culturais da região. Livre de excessos utilizando matérias regionais e sistema construtivo convencional de alvenaria e concreto armado, o projeto da residência insere-se harmonicamente na paisagem local. Sua volumetria parte de formas simples que, ora se interceptam, ora se sobrepõem, traduzindo externamente suas funções internas.

Projetada para uma família classe média, formada por quatro pessoas, casal com dois filhos, a residência de dois pavimentos possui 282m² e um programa de necessidades que se distribui em três áreas: social, intima e serviços.

A área social, localizada no térreo, é composta pelo terraço, terraço/garagem para dois automóveis e salas de estar e jantar. As salas possuem pé - direito duplo, integrando-se a área intima através do mezanino, e ao terraço/garagem através de esquadrias de piso a teto que podem se abrir completamente, unindo os ambientes.

O mesmo efeito de ambiente integrado que as esquadrias geram no térreo, ao unir as salas ao terraço/garagem, repete-se no pavimento superior, entre o mezanino e a varanda.
A integração desses ambientes proporciona a edificação um amplo conforto térmico, pois permite a ventilação cruzada, e uma generosa iluminação em todo o interior da casa.

O quarto de hóspedes/estudo localiza-se em uma zona intermediária entre a área social e de serviços. O banheiro de visitas, ao lado do quarto de hóspedes/estudo possui dois tipos de aproveitamento: lavabo e suíte.

O bloco de serviços, composto pela cozinha, dependência de empregada e área de serviços localiza-se na porção posterior da casa, no pavimento térreo. A cozinha, por suas dimensões generosas, remete as cozinhas tradicionais nordestinas e exerce também a função de copa.

No pavimento superior encontra-se uma área mais reservada, constituída de um mezanino com função de sala intima, um grande terraço voltado para o leste, proporcionando o largo sombreamento e ventilação da edificação.

Ficha:
Projeto: Habitação Unifamiliar
Arquitetura: Kleimer Martins e Márcio Lucena
Local: Cabo Branco Residence Privê . João Pessoa/PB
Ano Projeto: 2004
Ano Construção: 2005
Área do Terreno: 360,00m²
Área de Construção: 282,00m²
Tipologia: Térreo + 01 Pavimento
Fotos: Kleimer Martins
Edição Fotos: Max Brito

 


 

 

 

[Outros Projetos]


 

 

 

Buscar no Portal>>

 

 

 

©Jizcom / www.arqbrasil.com.br  - O espaço da arquitetura brasileira