Marcos Castilha

 

 

 

55 11 3877-0343
8211-9927
 
 
 
 
 
 
Loft

Loft / São Paulo, SP

 

O loft possui um piso único e 140 m2, com uma varanda, e dois espaços – delimitados por uma única divisória – com dois ambientes integrados em cada um deles: sala e cozinha, e quarto e escritório. O arquiteto utilizou tonalidades mais escuras como cinza e marrom, buscando, acima de tudo, valorizar os hábitos do morador, criando vários ambientes de leitura e ideais para momentos de lazer.


Para a iluminação, trabalhamos com dispositivos de iluminação com lâmpadas halógenas bipino, incandescentes, halógenas halopin, AR 70, dicróicas, fluorescentes T5 e LEDs 5000K Optiled, promovendo um contraste harmônico mas também provocativo com a tonalidade quente das lâmpadas de filamento., Um sistema dimerizável automatizado foi implantato em praticamente todos os ambientes, buscando o uso eficiente da energia aliado a diversas possibilidades de ambientações.

Ficha técnica:
Luminotécnica: Marcos Castilha
Arquitetura e decoração: Leticia Nobell / Plano B Arquitetura
Projeto de automação: José Roberto Muratori
Luminárias: Wall-Lamps, Lumini, Dominici
Lâmpadas: Osram
Leds: Optiled
Reatores: Osram e Mar-Girius
Automação: Marbie e Z-Wave


 

Restaurante

 

Restaurante Original Shundi / São Paulo, SP

 

 

Inaugurado em fevereiro de 2007, o Original Shundi ocupa os 450 metros quadrados de um casarão, onde funcionou uma boate, no Itaim Bibi, bairro da zona sul de São Paulo, conhecido por seus restaurantes e bares dirigidos ao público de alto poder aquisitivo.
A arquitetura, assinada pela arquiteta Teresa Younes, procurou traduzir a ousadia e excentricidade de um de seus proprietários, o sushiman Shundi Kobayashi, famoso por “reinventar” a gastronomia japonesa, com o uso de ingredientes exóticos.


Com a combinação de revestimentos de materiais rústicos, como ferro, madeira bruta e tijolos aparentes, Younes criou ambientação ousada e calorosa, desapegada da caracterização típica dos restaurantes japoneses.


A iluminação, projetada pelo arquiteto e lighting designer Marcos Castilha, teve como proposta inserir elementos que tornassem o local intimista e sofisticado, com o objetivo de “dialogar” com a arquitetura. Para o projeto, ele desenhou uma série de luminárias a partir de pedaços de eletrocalhas chapa perfurada, com dimensões e formatos variados, que estão presentes em todos os ambientes, atendendo a necessidades distintas. “A eletrocalha chapa perfurada foi perfeita para filtrar a luz e criar uma percepção “texturizada”, que se harmoniza com a riqueza do ambiente e ao mesmo tempo contrasta e provoca, por se tratar de um material bruto e funcional.


Para propiciar a ambientação sofisticada e aconchegante, solicitada pelo cliente, castilha utilizou lâmpadas incandescentes tipo vela de 25W e 40W nos pendentes, e lâmpadas halógenas AR-70, AR-111 e halógenas dicróicas de 20W nos spots e embutidos. Os sistemas de iluminação são dimerizados entre 30% e 50% da tensão de operação nominal, o que permitiu um aspecto cromático próximo ao da luz de velas.
(Por: Claudia Sá | Lume Arquitetura. Edição 33. Ago/Set 2008)

 

Ficha técnica:
Projeto luminotécnico e luminárias decorativas: Marcos Castilha / Marcos Castilha Arquitetura de Iluminação
Arquitetura: Tereza Younes
Construção: AG Arquitetura.
Lâmpadas: Philips e Osram
Luminárias embutidas: Interlight
Spots AR-111: Meca-Lux