BF2 Arquitetura e Consultoria

 

 Augusto Ferreira

 

 

55 11 3045-9960

 

@  |  WEB

 

 

 

 

Corporativo

 

Fecomércio | São Paulo/SP

 

 

Arquitetura: Escritório Técnico Julio Neves / Arquitetura de Interiores: BF2 Arquitetura e Consultoria
Equipe que participou do Projeto: Arq Augusto Ferreira / Arq Carolina Ferrari / Arq Pierina Piemonte / Arq Alessandra Marques / Arq Karina Von Oberst / Fotos: Patrícia Cardoso

Acústica (projeto): Harmonia Acústica / Arquivos deslizantes: Caviglia / Áudio e Vídeo: Sresnewsky Consultores Associados / Barras Antipânico: Dorma / Cadeiras de auditório: Giroflex / Cadeiras empilháveis: Giroflex / Carpete em placa: Interface / Cenotecnia (projeto auditório): J C Serroni / Construção: Construtora Método / Divisória: Interact / Divisórias articuladas: Dimoplac / Folhas de Madeira: Sayerlack / Elétrica/hidráulica (projetista): SOENG / Consultoria de granito: DGG Assessoria SCL / Elevadores: Atlas Schindler / Estações de trabalho: Fiel / Fechaduras e ferragens: La Fonte / Iluminação (projetista): Mingrone Iluminação / Interruptores e tomadas: Siemens / Lâmpadas: Osram / Louças sanitárias: Deca / Luminárias: Lumicenter, Altena, Studioluce, Wall Lamps / Marcenaria-Móveis especiais: Teleport / Mármores e granitos – pisos: Di Marmore, Millenium / Metais sanitários: Deca, Docol / Mobiliário de diretoria: Interni / Mobiliário de recepção: Montenapoleone Ufficio / Vidros: Santa Marina

A BF2 foi contratada para a elaboração da arquitetura de interiores de todas as áreas comuns do edifício e Do layout do 5° andar, a ser ocupado pelos escritórios da Fecomércio e por sua Presidência.

PARTIDO
Inicialmente procuramos nos inteirar do projeto como um todo e solicitar ao cliente diretrizes para o nosso trabalho. Quando demos o inicio ao projeto, uma das principais preocupações era que o nosso projeto não brigasse com o projeto existente, muito pelo contrário, queríamos que o projeto de interiores formasse um todo harmônico com o projeto de arquitetura. Outro ponto importante como diretriz do nosso projeto foi tentar dar uma unidade nos acabamentos principalmente pelo edifício ter 3 andares de escritórios (3°, 4° e 5° andares, sendo o último ocupado pela Fecomércio e por sua Presidência) e os outros 3 andares (térreo, 1° e 2° andares serem espaços públicos que a Fecomércio aluga ao mercado) Os 3 primeiros andares tem acesso independente do acesso aos escritórios. Apesar da diferenciação do uso, queríamos que o prédio demonstrasse que ele tinha um único proprietário, a Fecomércio.

PROJETO
Para que não se criassem identidades diferentes para as áreas de acesso público em relação aos escritórios, já que o prédio é a sede da Fecomércio, foram utilizados os mesmos materiais de acabamento em todo o prédio. Para isso procuramos trabalhar com poucas alternativas de acabamento onde a diferenciação ficou mais no nível do detalhamento do que nos próprios materiais. Por exemplo, os granitos empregados, um claro e um preto, foram utilizados em todo o edifício, tanto nas circulações e áreas públicas, como nos sanitários. O mesmo se deu no uso dos lambris de madeira escura.

Procurou-se dar um acabamento que refletisse o fato do edifício ser a sede de um órgão de classe, imponente, mas sem ostentação, e que os mesmos dialogassem com o projeto de arquitetura. Com isso, especificamos, por exemplo, o guarda corpo do espaço que dá para o vazio que atravessa todos os andares, em vidro temperado e laminado encimado por um tubo de aço inox em que o próprio vidro era a estrutura do guarda corpo, de modo que das áreas dos andares, .os usuários tivessem uma vista privilegiada do vazio sem interferências. O fato deste guarda corpo ser curvo aumentou a impressão de leveza da solução adotada e exigiu por parte dos instaladores um alto nível de acabamento.

ÁREAS COMUNS
No térreo, o projeto procurou tirar partido do grande espaço para exposições e da cascata, propondo um piso em granito, com grafismos empregando o granito claro e o escuro proporcionando uma integração entre a circulação de entrada do edifício com o espaço interno da área de exposições, já que a separação entre estes dois ambientes era uma divisória baixa de vidro com arremates de inox.

Nos três primeiros andares, nos sanitários procurou-se dar um acabamento mais sofisticado do que nos sanitários internos dos escritórios, apesar de utilizarmos os mesmos materiais de acabamento, mudando-se só a forma de utilizá-los. Nestes andares no piso e nas divisórias dos sanitários, foram utilizados o granito claro. As portas dos boxes são em vidro temperado serigrafado 100%. Na bancada do lavatório foi empregado granito preto. Um dos destaques foi o uso de espelhos individuais para cada pia, permitindo a instalação das papeleiras de modo que proporcionasse facilidade de uso para os usuários.

No centro de convenções, com 3 salas divididas por divisórias acústicas removíveis utilizou-se carpete em placas com desenho randômico de modo a facilitar a manutenção e granito claro e preto na área de coffee break, utilizado na forma de piso elevado. No forro da área de coffee break foram utilizadas grelhas revestidas com a mesma madeira dos lambris. Essa solução foi adotada em vários ambientes em que havia grande quantidade de pontos no forro de modo que não criassem um efeito poluidor pela quantidade de equipamentos no forro. A estrutura de madeira uniformizou o acabamento do forro..

No auditório, especificamos as poltronas e o carpete, que foi desenvolvido especialmente para esse projeto, de modo que as cores combinassem com o restante do ambiente. No andar do auditório foi previsto um bar totalmente aberto para atendimento dos freqüentadores no intervalo dos eventos. O restante da ambientação do auditório foi feito pelo escritório do Julio Neves.

Todos os halls dos elevadores e da área do vazio, tiveram o mesmo nível de acabamento do térreo ao 5° pavimento

5°ANDAR
Na área do 5° andar, procurou-se agregar detalhes que valorizassem os ambientes , como o forro da área de escritório, onde foram utilizados forros modulados minerais e sancas de gesso, para iluminação indireta, acompanhando a circulação interna do andar. O fato do edifício não ter colunas internas, permitiu grande flexibilidade na elaboração do layout e otimização da circulação interna. No layout, os funcionários tem estações de trabalho delimitadas por biombos baixos e sem separação de departamentos, permitindo uma grande integração entre os diferentes departamentos, um desejo do cliente, em oposição ao layout anteriormente utilizado na antiga sede. As estações de trabalho especificadas foram padronizadas, de modo a facilitar eventuais futuros remanejamentos. Visando aumentar a integração dos funcionários, projetou-se uma copa aberta na parte posterior do escritório, mas isolada deste, que dá para um vazio e serve de circulação de acesso aos sanitários. Neste espaço foram instaladas máquinas self service de café e salgados, quadro de avisos e mesas e cadeiras. Este espaço não é visto dos outros andares, através do vazio, com isso não interferimos nas soluções do projeto de arquitetura que permite a visão de todos os andares.

Uma área de destaque foi a área da presidência, onde está localizado o gabinete do presidente, com dois ambientes separados por uma porta de correr, a área das secretárias, e uma grande sala de reunião. A sala de reunião tem suas paredes internas revestidas com lambris de tecido, forro especial, com grelha de madeira laqueada de branco de modo que uniformizasse o forro, ocultando parcialmente toda a infra estrutura ali instalada, como luminárias, grelhas de ar condicionado, sprinkles e alto falantes. Foi criado também um lambri que oculta uma teve de plasma e um painel móvel com lousa mágica. No gabinete foram usados alguns acabamentos diferenciados, como lambris revestidos em couro, e sancas de iluminação indireta. Mas para que o ambiente do gabinete não se mostrasse desconectado do resto do andar, alguns acabamentos foram utilizados em ambos os ambientes, como o carpete em placa e as cores das paredes. Todas as paredes internas do layout foram executadas em drywall inclusive os sanitários que foram acrescentados ao gabinete da Presidência.

Junto aos caixilhos das fachadas foram utilizadas persianas rolos, perfuradas, de modo que do interior se consiga ver o exterior mas reduzindo a luz solar nos interiores do edifício, com isso diminuindo a carga térmica interna, não sobrecarregando os aparelhos de ar condicionado..

Fator de sucesso
Um dos pontos que gostaríamos de destacar foi à perfeita integração entre o coordenador do projeto por parte da Fecomércio, eng Romeu Vieira, todos os projetistas técnicos onde se destacaria o projetista Mingrone, de iluminação, pela sua contribuição ao resultado final do projeto, a Construtora Método, através da arq Thaty Galvão, e o Escritório Julio Neves com a BF2. A integração entre todos os profissionais foi possível devido a clareza de objetivos do cliente, na pessoa do eng Romeu, profissional que avalizou as propostas da BF2 junto ao usuário final e junto aos demais integrantes da equipe, de modo que nenhum detalhe da obra foi fruto do acaso, mas resultado de longas discussões onde só após a concordância do cliente, os desenhos eram enviados a obra para execução. Isso permitiu que a obra fosse fielmente executada.

A BF2 também acompanhou toda a obra, dirimindo dúvidas junto à construtora Método, esclarecendo dúvidas, gerando detalhes e eventualmente adaptando-os detalhes com o objetivo de melhorar o resultado final e acelerar a conclusão da obra, e aprovando todas as amostras de acabamentos e materiais especificados. O acompanhamento se deu até a inauguração da obra – junho de 2.004.

 


 

Corporativo

 

 

Cognos | São Paulo /SP

 

 

COGNOS – Arquitetura de Interiores da implantação do escritório da companhia Canadense no Brasil, e, anos após, da ampliação das instalações, ocupando novo edifício com o dobro da área anterior.

Equipe: Augusto Ferreira e Denise Carpi / Fotos: Patrícia Cardoso

Fornecedores - Carpete: Carpete em placas Milliken / Mobiliário: Forma / Cadeiras: Giroflex / Mesas Treinamento: Voko / Luminárias: Lumini


Quando a Cognos instalou-se no Brasil, no segundo semestre do ano 2.000, a BF2 foi a empresa responsável pela elaboração do projeto de arquitetura de interiores. Na época, a empresa instalou-se no 19° andar do Edifício Spazio JK situado na Av Juscelino Kubitschek, em dois conjuntos com área total de 300 m2. Passados 4 anos, no final de 2.004, a BF2 foi novamente contratada para elaborar novo projeto, agora com 600 m2, já que a empresa cresceu e necessitava nova estrutura para atender as necessidades de seus clientes no Brasil e no restante da América Latina.
A BF2, ajudou a definir a escolha do escritório a ser ocupado pela Cognos, entre três alternativas escolhidas pela Cushman&Wakefield Semco. O escritório escolhido foi um andar inteiro do edifício Berrini 500.

O mobiliário da Forma, foi escolhido entre diversos fornecedores nacionais, já que o padrão utilizado pela Cognos em suas demais instalações não é fabricado no Brasil e a empresa descartou a alternativa de importar o mobiliário.

A recepção dá acesso a duas áreas distintas. Uma, destinada a equipe do escritório e a outra, com acesso independente, destinado a treinamento. Ambas as áreas contam com cafeterias independentes. O espaço destinado ao treinamento não interfere no dia a dia do escritório. O escritório conta com um espaço aberto para o staff da companhia. As demais salas, Treinamento, Salas de Reunião e Gerentes, contam com divisórias acústicas em drywall.

As cores utilizadas levaram em conta as cores utilizadas em seu logotipo, formando um todo com a imagem corporativa adotada em suas demais instalações. Toda a coordenação da implantação de escritórios da Cognos é centralizada em seu escritório no Canadá. O engenheiro responsável da Cognos, aprovou todos os acabamentos sugeridos pela BF2 com materiais fornecidos no Brasil, já que o prazo para a mudança para a nova sede era curto e não teríamos tempo para importar nenhum material.

O processo todo, entre a escolha do imóvel a ser alugado, negociações, concorrência para definição da construtora e a mudança da Cognos demorou 4 meses. no final de Abril eles mudaram-se.
 


 

Cultural

 

 

Sesc Belenzinho | São Paulo /SP

 

 

Todo o projeto e obra foi gerenciado pela Gerência de Serviços de Engenharia do SESC
Gerente: Amilcar Filho / Engenheiro: Marcelo Fanchini

Arquitetura de Interiores: BF2 Arquitetura e Consultoria / Equipe que participou do Projeto: Augusto Ferreira, Alessandra Marques, Denise Carpi, Joanna Fochi, Karina von Oberst. Sandra Peres
 

Principais Fornecedores - Mobiliário: Securit / Cadeiras: Giroflex / Carpete: Milliken / Persianas: Uniflex / Fotos: Patrícia Cardoso

"A BF2 foi contratada para elaborar o projeto de Arquitetura de Interiores da nova sede do SESC no Belenzinho, junto a estação Belém do Metrô. O prédio a ser ocupado pelo SESC havia terminado de sofrer um retrofit. Anteriormente o edifício havia sido a sede de uma indústria de confecções.

O edifício é composto do subsolo, pavimento térreo e 3 andares de escritórios. No subsolo estão localizados o estacionamento e diversas áreas de serviço, como central de telefonia, depósitos, etc.

No térreo existem a recepção, um auditório, refeitório, lanchonete e um centro de convenções com salas de diferentes dimensões.

Os andares de escritórios são constituídos de lajes de aproximadamente 1.600 m2 de carpete. A área total ocupada pelos 3 andares de escritório é de cerca de 4.800 m2 de carpete.

A primeira etapa do trabalho foi elaborar um levantamento completo das necessidades do SESC de modo a avaliar se o novo prédio comportaria todos os departamentos inicialmente pensados para ali serem instalados.

O SESC ocupava 9 andares de um edifício na Av. Paulista. Todos os departamentos eram delimitados por divisórias piso-teto e dentro do espaço do departamentos as salas dos gerentes e gerentes-adjuntos eram também delimitadas por divisórias piso-teto. Esta forma de ocupação física do espaço não facilitava a integração entre os diversos departamentos, já que dificultava a comunicação entre as pessoas. Os móveis eram antigos, e não eram ergonomicamente adequados ao uso intensivo de computadores. Havia deficiência na quantidade de salas destinadas a reunião e área para arquivamento. A organização espacial dos escritórios da Paulista não refletia a forma nem o padrão de mobiliário que as áreas administrativas empregavam nas diversas Unidades do SESC no Estado de São Paulo.

Após o levantamento, foi feita uma apresentação para todos as gerências e chefias apresentando várias alternativas de organização do espaço, suas vantagens e desvantagens, e as várias tipologias de mobiliário existentes no mercado. O objetivo da apresentação era definir junto ao SESC, através de discussões entre os diferentes níveis de usuários, a forma de ocupação do prédio que melhor refletisse a sua forma de trabalhar.

Após diversas reuniões, propusemos que não houvesse separação física entre as diversas gerências e que as salas dos gerentes fossem delimitadas por biombos. O partido visava promover uma maior integração entre as diversas gerências e entre os gerentes e suas equipes, pois achamos que isso refletiria melhor a imagem que o SESC tem junto ao seu público, que enxerga as unidades implantadas como uma unidade integrada e não como a soma de diferentes atividades isoladas.

Com isso, os escritórios foram concebidos como panoramicos, sem nehuma compartimentação entre as gerências. As salas dos gerentes e gerentes adjuntos ficam localizadas junto a fachada e são delimitadas por biombos com 1,60m de altura e com a frente com painéis em vidro.

Todas as salas que necessitam ser fechadas com divisórias piso teto foram localizadas na área central da laje, longe das janelas. Isso possibilitou uma luminosidade muito boa em todo o espaço ocupado pelos escritórios.

Em todos os andares houve uma mistura intencional entre as gerências administrativas e as gerências responsáveis pela programação cultural e esportiva, visando a promover uma integração entre as duas atividades. No último andar, foi criado uma área para abrigar a Diretoria, os Superintendentes e as áreas de Assessoria. Esta área é caracterizada por salas delimitadas por divisórias piso-teto acústicas.

Em todos os andares foram criadas áreas de recepção com área de estar para espera e pequenas reuniões informais, cafeteria, destinada aos funcionários e visitantes, e um pool de 4 salas de reunião. A proposta de uma cafeteria por andar, foi mais um recurso utilizado para incentivar o contato entre os funcionários das diferentes gerências, e evitar o que ocorria na antiga sede, onde cada gerência tinha seu próprio espaço destinado ao café.

Todo o arquivamento foi pensado para acompanhar a flexibilidade do layout, e utilizamos arquivos deslizantes com altura de 1,60m, a mesma dos biombos que delimitam as áreas dos gerentes, distribuidos na laje.

As estações de trabalho, são estações de 120° e modulares, fixadas em biombos revestidos em tecido, visando melhorar a acústica. A combinação das estações de 120° graus possibilita criar estações com formatos os mais variados, orgânicos, dando dinamismo ao espaço e adaptando-se as diferentes organizações das equipes de trabalho. Este dinamismo proporcionado pela forma das estações reflete bem a variedade dos serviços desempenhados pelas diferentes gerências, em que algumas desenvolvem serviços administrativos e outras gerenciam atividades esportivas e culturais a serem realizadas nas diversas unidades do SESC em todo o Estado de São Paulo.

Como o projeto implicou numa mudança de cultura interna grande, o que em geral acarreta resistências por parte dos usuários, avalio que a opinião dos usuários foi extremamente positiva. Comparando-se com os antigos escritórios, houve uma melhora geral nas instalações e nas estações de trabalho, mesas e cadeiras. O ambiente é muito mais acolhedor, iluminado, flexível e com todo a infraestrutura necessária para o desenvolvimento das atividades ali desempenhadas, e refletem melhor a imagem do SESC do que as antigas instalações.

Uma das maiores dificuldades do projeto foi que todos os materiais especificados por nós, como cadeiras, estações de trabalho, arquivos deslizantes e carpete terem que ser adquiridos por licitação pública, o que impedia a especificação pelo nosso escritório de marcas e modelos. É muito difícil elaborar um projeto de arquitetura de interiores sem ter como controlar os produtos e acabamentos a serem utilizados, já que cada fabricante tem o seus próprios padrões de cores e acabamentos. Tivemos que fazer um trabalho árduo de especificação de materiais que ao mesmo tempo que não podia especificar a marca e o modelo, contivesse elementos que possibilitassem ter algum controle não só sôbre a qualidade do que fosse adquirido como também em relação ao design e cores. Esta foi uma das etapas mais demoradas do processo. Felizmente o resultado foi muito positivo e essa foi uma experiência enriquecedora para nós."
 


 

Corporativo

 

 

Microservice Tecnologia Digital | São Paulo/ SP

 

 

O projeto foi elaborado em 2.004/2.005 / Área de 8.500 m2

Equipe: Augusto Ferreira e Denise Capri

Fornecedores- Móveis: Voko / Cadeiras: Giroflex / Luminárias: Lumini / Carpete: Milliken / Portas: Dorma / Fotos: Patrícia Cardoso

 


 

Corporativo

 

 

Edifício Eluma | São Paulo/ SP

 

 

EDIFICIO ELUMA - Retrofit (reforma de edifício com mais 30 anos – em frente a FIESP)
Foi feita reforma de todo o pavimento térreo, com troca de piso, criação de paisagismo e iluminação externa nova, anteriormente inexistente. Foi ampliada a recepção com a ocupação do recuo lateral.

Área externa: Área de piso de 1.600 m2  / 940 m2 de muros e floreiras revestidos em granito.

Na obra, foram empregadas 102 toneladas de granito. No piso da área externa, foi utilizado piso elevado em chapas de granito, proporcionando reaproveitamento do granito em futuras manutenções da Impermeabilização. Solução ecológica.

Ano Projeto: 2.001 / 2.002
Equipe: Augusto Ferreira e Karin Ricciardi / Paisagismo: Sumie Miyajima Arquitetos Paisagistas / Luminotécnica: Salaroli e Associados Lighting / Design S.A.L.D. / Fotos: Patrícia Cardoso
 


 

   

 

 

©Jizcom / www.arqbrasil.com.br  - O espaço da arquitetura brasileira